Indiferença

A situação na GNR continua tão precária como antes


Por César Nogueira | 03.06.17

A recente ação de protesto dos profissionais da GNR foi ilustrativa do seu tremendo descontentamento. Este foi apenas o início de um processo de luta!

Causa perplexidade ouvir falar em recuperação económica e de direitos sociais, quando a situação na GNR continua tão precária como antes, sendo que se agravaram as insuficiências já existentes.

O congelamento da progressão na carreira, o défice de efetivo, o desinvestimento em meios e equipamentos, a fixação de um horário de 40 horas semanais, diferente das 36 praticadas na PSP, o corte no período de férias, as dúvidas quanto ao cálculo da pensão de reforma, com base na aplicação de um regime convergente, que nunca o poderá ser, se se pretender que seja justo, são tudo questões sem resposta, que apenas têm tido justificações, a nosso entender, medíocres. Ora é porque somos militares, ora é porque somos funcionários públicos.

A única coisa que temos como certa é a indiferença, postura oposta àquela assumida pela Tutela quando fez aprovar o EMGNR correspondente aos interesses das Forças Armadas, que abriu portas à discricionariedade, por via das promoções de escolha e que, despudoradamente, comprometeu a autonomia da Instituição. Assim não, Sra. Ministra!

In jornal "Correio da Manhã"