Por César Nogueira | 16.12.17

Ao que parece, os vencimentos de Dezembro dos profissionais da GNR serão custeados pelos excedentes do SAD/GNR, o que quer dizer que iremos, indiretamente, pagar os nossos próprios vencimentos, no caso de quem está no ativo ou na reserva, com equivalente contribuição daqueles que estão na reforma.

Alguém não sabe fazer contas, na medida em que o SAD/GNR não devia dar ‘lucro’ e não foram acauteladas verbas para a totalidade dos vencimentos de 2017.

Pior, o aumento das contribuições para o SAD/GNR sucedeu na proporção em que a rede de prestadores de saúde convencionados diminuiu, motivo pelo qual se conclui que a última preocupação do Governo é a saúde dos profissionais da GNR.

A GNR deve ter um subsistema de saúde próprio, mas não é aceitável que os profissionais sejam duplamente penalizados, pois pagam contribuições para o Serviço Nacional de Saúde e também para o SAD/GNR que chega a ser mais caro que um seguro privado.

Exige-se a redução dos descontos para a SAD/GNR, pois aquilo que deveria ser investido exclusivamente na saúde não pode estar a ser usado para dar cobertura a manobras contabilísticas, que reduzem a despesa pública à custa de suborçamentação e da nossa saúde.

Artigo disponivel em CM JORNAL