De acordo com um comunicado da APG, "como forma de represália, o Comandante de Posto terá, no passado dia 21, alterado a escala de serviço, cuja versão inicial iria permitir que parte do efetivo pudesse usufruir do Natal e outra parte do Ano Novo. Profissionais das mais variadas regiões do país, sendo que alguns já se encontravam em viagem, ficaram impedidos de festejar esta quadra com as suas famílias e, outros terão mesmo recebido ordens para voltarem para trás, uma vez que já se encontravam a caminho das suas casas", pode se ler no comunicado enviado ao JN.

A APG/GNR diz ainda repudiar "em absoluto esta atitude e entende que a Lei é para cumprir, por todos, motivo pelo qual estará em causa, muito claramente, a prática de um ilícito passível de matéria disciplinar que, desde já, se reclama que seja apurada".

A associação garante ainda ter denunciado a situação ao Comando da Guarda, esperando "que este aja com a maior celeridade, na medida em que são expectáveis novas represálias".

Artigo disponível em JN.PT