A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) indicou esta quinta-feira que 11 elementos das forças e serviços de segurança foram alvo de agressões este ano e apelou para que seja reconhecido o risco da função policial.

"Só no ano de 2018, que apenas vai no seu 11.º dia, já foram agredidos 11 profissionais das forças e serviços de segurança, o que materializa de forma muito direta a ideia de que estes estão sujeitos a agressões diariamente”, precisa a associação profissional mais representativa da Guarda Nacional Republicana em comunicado.

A nota da APG surge após um militar do Destacamento de Trânsito da GNR de Castelo Branco ter sido agredido, na quarta-feira, por quatro pessoas, nas proximidades da localidade de Maxiais, na sequência de uma ação de fiscalização de trânsito, estando ainda os agressores a monte.

A Associação dos Profissionais da Guarda considera “inaceitável que o Governo se recuse a reconhecer o risco inerente às funções policiais”, nomeadamente através da atribuição de um subsídio de risco e de normas específicas que contemplem o desgaste acentuado causado pela profissão.

A APG recorda a discussão prevista para hoje, na Assembleia da República, de uma petição promovida pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) sobre a atribuição de um subsídio de risco para os polícias.

Nesse sentido, a APG apela a todos os grupos parlamentares para “agirem no sentido de garantirem a justiça sobre esta matéria”.

"Cada vez que um profissional é agredido, é a própria autoridade do Estado que fica em causa, motivo pelo qual é inadmissível que não exista uma solução satisfatória, por parte do Governo, que responda a esta realidade”, sustenta ainda a APG.

in TVI

Artigos relacionados: 
SIC - Onze elementos das forças de segurança agredidos este ano
Publico - Onze elementos das forças de segurança agredidos em 11 dias