Ponte de Lima

Irmãos "Cabrinhas" atacam de novo: atropelam e agridem GNR

A GNR deteve, segunda-feira, dois elementos da família dos "Cabrinhas", na estrada que liga as freguesias da Correlhã e Feitosa, em Ponte de Lima, por falta da carta de condução e agressões aos militares durante a detenção.

Este é mais um episódio a envolver aquele agregado familiar, que há anos aterroriza a aldeia da Correlhã e que acumula processos na Justiça, devido a roubos e agressões.

O JN sabe que a detenção ocorreu pelas 15.30 horas, quando o elemento mais novo da família, com 21 anos, foi intercetado por quatro elementos da GNR de Ponte de Lima. O jovem, que não tem carta de condução, foi mandado parar. Mas não só recusou, como avançou com a viatura contra um dos militares, projetando-o contra o jipe da GNR. O militar conseguiu evitar ferimentos maiores ao segurar-se ao capô. A manobra levou à detenção porque a viatura do suspeito se imobilizou.

Fonte ligada ao caso revelou ao JN que, apercebendo-se do que se estava a passar com o irmão mais novo, já que o terreno da família se situa perto do local, um outro elemento dos "Cabrinhas", de 35 anos e com passagens pela prisão, foi ao encontro da GNR. Tentou retirar o jovem do jipe, onde estava algemado, agredindo os militares. Os dois "Cabrinhas" acabaram detidos e levados a tribunal. Mas foram colocados em liberdade pela magistrada de turno. Hoje serão presentes a tribunal para saber as medidas de coação. Devido aos ferimentos ligeiros, os quatro militares necessitaram de ir ao Hospital de Ponte de Lima.

Ao JN, Paulo Pinto, delegado da Zona Norte da Associação dos Profissionais da Guarda, disse "lamentar mais este episódio de violência", depois de um semelhante no Fundão contra profissionais da GNR, e disse que "as autoridades judiciais não podem permitir, enquanto último garante da autoridade do Estado, que se repitam estas situações".

Artigo disponível em JN