A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR comemora o seu 28.º aniversário. São quase três décadas de associativismo profissional, de um percurso reivindicativo em defesa de mais direitos, de um futuro melhor para todos e em nome de todos.

A APG/GNR saúda os seus associados que têm sido determinantes na assertividade da nossa acção e que fazem desta estrutura a mais representativa da Guarda Nacional Republicana.

É igualmente oportuno saudar as gerações de dirigentes que conduziram de forma corajosa os destinos desta Associação, que, partindo da clandestinidade se constituiu como força motriz do processo de desenvolvimento do direito à organização colectiva na GNR. E porque o nosso caminho tem sido trilhado também com solidariedade e pontos de convergência em defesa de uma GNR humanizada e democrática, não seria justo que não saudássemos igualmente todas as estruturas sindicais, associativas e individualidades que fazem parte do nosso património histórico e que nos momentos mais difíceis caminharam connosco.

No dia de hoje importa igualmente relembrar os obstáculos que ainda hoje existem à organização colectiva na GNR, que impedem o direito de associação sindical o que, entende-se não é admissível em democracia, designadamente quando existem forças congéneres a quem é concedido este direito.

A existência de uma legislação “cinzenta” com mais restrições do que garantias de direitos tem sustentado a instauração de processos a dirigentes por causa associativa, por darem rosto e voz aos associados da APG/GNR e aos seus direitos.

Mas não são estes obstáculos que demovem a razão que subjaz às nossas reivindicações e, se hoje operamos em terreno difícil, no passado havia uma realidade ainda mais complexa, que permitia inclusive, na vigência do RDM, a aplicação de penas privativas da liberdade em sede disciplinar.

Independentemente das resistências da Instituição ao associativismo profissional na GNR, a APG/GNR existe e os seus dirigentes honram o património histórico e reivindicativo desta Associação, que está alicerçado na coragem e determinação, sentimentos que animarão as batalhas futuras, em relação às quais não desarmaremos e não permitiremos que nos silenciem.

A força da APG/GNR reside na sua massa humana, pelo que é determinante o reforço do número de associados, no sentido do aumento da seu poder reivindicativo em todas as vertentes e  junto de todas as instânicas, inclusive as políticas e judiciais

Parabéns APG/GNR!

Lisboa, 30 de Abril de 2019

A Direcção Nacional da APG/GNR