Nota à Imprensa

A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR teve conhecimento que na sequência da necessidade de abastecimento à Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) durante o período de crise energética, há profissionais que estão a trabalhar 27 horas ininterruptas, 8 das quais adstritos ao transporte de matérias perigosas.

Ainda, em alguns locais de serviço, a necessidade de acompanhamento ao abastecimento da REPA tem alongado os horários de patrulha sendo que, esta realidade, aliada à falta de efectivo traz a maior das preocupações.

Dado este contexto, a APG/GNR não pode deixar de denunciar a forma irresponsável como o Governo está a gerir toda esta situação, já que está a colocar em risco os profissionais da GNR bem como todos os envolvidos no processo.

Nenhum ser humano conseguirá manter níveis mínimos de concentração e operacionalidade durante 27 horas ininterruptas, motivo pelo qual a APG/GNR considera essa situação aberrante, perigosa e irresponsável.

A APG/GNR repudia a requisição dos profissionais da GNR para a condução de matérias perigosas, por se tratarem de funções estranhas à sua missão orgânica, assumindo particular gravidade o contexto em que estão a ser executadas.

Posto isto percebe-se que neste processo o Primeiro-Ministro tenha ignorado as estruturas representativas dos profissionais da GNR e da PSP, pois têm-se posicionado de forma determinada na defesa intransigente da dignidade profissional daqueles que representam.

A APG/GNR reclama do Governo medidas urgentes e imediatas, que venham dar resposta ao contexto extraordinariamente perigoso em que alguns profissionais estão a exercer funções, pois não se pretende que algum incidente com consequências trágicas venha confirmar as nossas preocupações.

A APG/GNR reitera a necessidade absoluta de se encontrarem soluções alternativas e imediatas que não passem pela requisição de profissionais da Guarda para o transporte de matérias perigosas.

Lisboa, 13 de Agosto de 2019

A Direcção Nacional da APG/GNR


Créditos da imagem
Autor:CARLOS BARROSO
Crédito:LUSA
Direitos de autor:© 2019 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.