A APG/GNR e a ASPP/PSP reuniram hoje, 21 de Outubro, no Porto, com o objetivo de abordar a postura do governo perante as fragilidades da segurança pública em geral e das dificuldades da PSP e GNR em particular. 

Durante a anterior legislatura, o governo fez promessas que não cumpriu e protelou a resolução de problemas que estão a colocar em causa não só a estabilidade das instituições mas de toda a segurança pública em Portugal. Na legislatura que está prestes a começar, o governo não pode escudar-se da falta de conhecimento dos problemas nem desvalorizar as promessas que nos fez. Até ao momento, o governo não deu uma palavra sobre o futuro destas instituições.

Nesse sentido a ASPP/PSP e a APG/GNR decidiram realizar uma manifestação conjunta, no dia 21 de novembro, com o objetivo de deixar claro ao governo que queremos resolução e medidas concretas para os problemas existentes.

 No imediato, exige-se que o governo anuncie a previsão no Orçamento de Estado das verbas necessárias para iniciar desde já as alterações necessárias nas tabelas remuneratórias da PSP e da GNR, adequando os vencimentos de forma justa e adequada à função exercida por estes Profissionais. É inconcebível que um Agente de Autoridade ganhe apenas mais cem euros que o Ordenado Mínimo Nacional, urge a atualização dos suplementos e criação do suplemento de risco, a criação da lei que vise a fiscalização das condições de saúde e segurança no trabalho, não esquecendo aqueles que já passaram à Reserva/ Reforma/Aposentação e que muito deram em prol da segurança pública mas que, nos últimos anos, têm sido esquecidos pelos sucessivos governos, entre outras questões que serão entregues em documento ao governo.

A ASPP/PSP e a APG/GNR apelam à presença nesta manifestação de todos os polícias, independentemente da sua filiação sindical ou associativa.

Esta ação é de todos os polícias, para todos os polícias.

A Direção da ASPP/PSP
A Direção da APG/GNR