Como é do conhecimento geral, APG/GNR e ASPP/PSP convocaram uma manifestação para o próximo dia 21 de novembro, a que se juntaram na organização da iniciativa o SIAP, SNCC, SINAPOL, OSP, SVP, SPP/PSP e ASAPOL. 

A manifestação tem início no Marquês de Pombal, pelas 13h00, seguindo pela Rua Braamcamp, Rua Alexandre Herculano, Largo do Rato, Rua de São Bento e terminando na Assembleia da República. Mantém-se o apelo a todos os participantes para que usem camisola branca e todas as tarjas devem ser alusivas aos temas reivindicados e/ou aos motivos da realização da manifestação. 

Apela-se a todos os participantes na manifestação para não exibirem ou façam apologia a ideologias políticas ou outras, que confundam os objetivos da manifestação. Agradece-se a todos os partidos políticos ou deputados da AR todo o apoio ou solidariedade já demonstrada, mas apelamos a que esse apoio seja demonstrado diretamente e exclusivamente nos debates e na pressão política dentro da AR e junto das entidades responsáveis. 

Esta manifestação é de polícias e aberta a todos os cidadãos que apoiam as forças de segurança, mas apela-se ao bom senso e responsabilidade de todos para que não tenham atitudes que coloquem em causa o trabalho dos polícias que estão de serviço, que não criem situações de alteração de ordem pública que ponham em causa a segurança das pessoas ou que aproveitem esta iniciativa para fins que atropelem, desacreditem ou comprometam os seus verdadeiros motivos ou a condição policial dos profissionais da PSP e da GNR. Cada um é responsável pelos seus atos. 

A força dos polícias, a força da manifestação, reflete-se pela presença em massa e é aí que se deve manter o foco. Há toda a razão de levar a cabo esta iniciativa e lutar pelos direitos que são mais que devidos, mas tem de se garantir que a mesma razão que levou ao agendamento desta manifestação permanecerá. 

É esta razão, refletida nesta manifestação, que deixará bem claro que o governo já não tem alternativa senão a resolver de imediato as seguintes questões: 

  • Devolução do valor retirado ilegalmente, nos suplementos, em tempo de férias, desde 2011; 
  • Aplicar o subsídio de risco conforme aprovação na AR; 
  • Atualização da tabela remuneratória; . Garantir que o desconto para o SAD, já de valor exagerado, seja feito só nos 12 meses por ano; 
  • Aplicar a legislação da fiscalização da saúde e segurança no trabalho e considerar a profissão de polícia de desgaste rápido; 
  • Cumprimento do previsto no estatuto da PSP no que refere a pré aposentação, com desvinculação dos polícias, se o desejarem, aos 55 anos de idade. 

Lisboa, 20 de novembro de 2019 

Os sindicatos que compõem a organização da manifestação, 

APG/GNR, ASPP/PSP, SIAP, SNCC, SINAPOL, OSP, SPP, SVCP e ASAPOL 

20/NOV/2019