A instituição do regime democrático, em Abril de 74, parece ter deixado a GNR de parte em muitas das suas vertentes e direitos de cidadania, sendo o exemplo mais flagrante a ausência do direito de associação sindical.

Porque só o regime democrático é compatível com uma sociedade humanizada, com o respeito por direitos, liberdades e garantias, hoje, mais que nunca justifica-se defender os direitos conquistados com Abril até porque por força do Estado de Emergência estes encontram-se temporariamente suspensos.

Também porque o direito à segurança e tranquilidade públicas são direitos de democracia e porque, enquanto estrutura do associativismo profissional a APG/GNR é também, só por si reflexo de democracia, a Associação dos Profissionais da Guarda não podia deixar de saudar  o 25 de Abril e os valores democráticos, lamentando que este ano não se possa fazer representar nas comemorações públicas, mas fazendo votos que o possa fazer no futuro, em outras circunstâncias.

 Lisboa, 25 de Abril de 2020

A Direcção Nacional