A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR irá cantar as “Janeiras”, no próximo dia 6 de Janeiro, quarta-feira, pelas 11H00, junto ao Ministério da Administração Interna, como forma de protesto.

Considerando a própria história e essência desta tradição popular, que neste contexto traduz-se pela completa e absoluta falta de resposta do Ministro da Tutela às reivindicações dos profissionais da Guarda, que têm sido insistentemente apresentadas por esta Associação, fará todo o sentido que, em forma de protesto, uma delegação desta estrutura vá cantar as janeiras à porta do MAI, na expectativa de que, finalmente, o Sr. Ministro nos oiça.

Em democracia, não é aceitável que o Ministério da Administração Interna exerça funções tendo como premissa e ponto de partida pura e simplesmente o passar ao largo de toda e qualquer questão que considere incómoda, não existindo sequer a dignidade de uma resposta.

A APG/GNR exige que sejam retomadas com urgência as negociações interrompidas no primeiro trimestre de 2020 e que sejam inclusos na agenda pontos fundamentais, como a revisão do Sistema Remuneratório da GNR, a negociação do subsídio risco aprovado em sede parlamentar, a classificação da profissão como sendo de desgaste rápido, a revisão do Regulamento de Disciplina, entre muitas outras matérias que constarão de um Caderno Reivindicativo que será entregue nesta iniciativa.

A APG/GNR jamais aceitará a indiferença para a qual estão arredados os profissionais da GNR que, enquanto força de segurança, têm assumido um papel central no combate à pandemia, que apenas parece servir de argumento para suspender o diálogo, mas jamais para reconhecer direitos e muito menos para dignificar as funções que exercem e que hoje comportam um risco ainda maior.

Assim, a APG/GNR vem pelo presente convidar esse órgão de comunicação social a estar presente na iniciativa em apreço, durante a qual serão prestadas declarações à imprensa.

Lisboa, 5 de Janeiro de 2021

A Direcção Nacional