Nota à Imprensa

A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR considera que o valor proposto pela Tutela para o suplemento de risco é absolutamente indigno e desconsidera os profissionais da GNR e da PSP, o risco que correm, o desgaste a que estão sujeitos e sobretudo o profissionalismo e esforço extraordinário com que têm cumprido a sua missão em tempos tão exigentes.

Avaliar o risco das funções de segurança pública em valores que vão desde os 48,96€ aos 68,96€ é o equivalente a afirmar-se que essas funções basilares de um Estado de Direito Democrático valem pouco ou nada e que os agentes que as executam não têm direito à sua dignidade profissional.

A APG/GNR, que se tem pautado neste processo negocial pela verticalidade e transparência jamais aceitará esta ordem de valores, motivo pelo qual recorrerá ao protesto, que assumirá natureza contínua até ao dia da próxima reunião com a Tutela, que terá lugar no próximo dia 21 de Julho.

Tratando-se de uma reivindicação comum à PSP, a APG/GNR em conjunto com a ASPP/PSP apela à participação nas concentrações diárias que decorrerão até dia 20 de Julho, entre as 16H30 e as 18H30, junto à sede dos Comandos das Unidades da PSP do Porto, de Lisboa, de Braga e em Viseu entre as 17H00 e as 18H00, junto ao Comando da PSP e em dias ímpares e junto ao Comando da GNR em dias pares. Pretende-se que elementos de ambas as forças de segurança participem nos dias e locais indicados.

No dia 21 de Julho, pelas 10H30 a APG/GNR e a ASPP/PSP irão promover uma concentração junto ao Ministério da Administração Interna, no decorrer da reunião de negociação.

A APG/GNR exorta à participação de todos os profissionais da GNR nas iniciativas de protesto, porque tal como afirmámos recentemente, “as uniões verdadeiras são focadas na luta” e importa dar visibilidade à razão que temos.

A APG/GNR solidariza-se com as acções de protesto que venham a decorrer a propósito do suplemento de risco e que cumpram os necessários requisitos da legalidade.

Os próximos dias serão de luta intensa, luta essa que só será bem-sucedida com a participação de todos, com a expressão inequívoca do nosso descontentamento, porque são justas as nossas reivindicações!

Lisboa, 13 de Julho de 2021
A Direcção Nacional