Nota à Imprensa  

A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR, no rescaldo daquela que seria a última reunião para negociar os moldes e valores do suplemento de risco a atribuir aos profissionais da GNR e da PSP pode afirmar que a Tutela, ao manter os valores previamente apresentados, está a insultar todos aqueles que diariamente arriscam a vida em nome da legalidade democrática.

100 € de suplemento de risco, suprimindo-se a componente fixa do Suplemento por Serviço nas Forças de Segurança, que é hoje de 31,04€, resulta objectivamente num suplemento de 68,96€, ainda sujeito às tributações legalmente impostas.

A APG/GNR mantém a sua proposta conjunta com a ASPP/PSP e que prevê um suplemento de risco de 400€, com implementação faseada em 3 anos, iniciando-se nos 200€.

Os valores propostos pelas duas maiores estruturas representativas dos profissionais da GNR e da PSP são realistas, foram assumidos com seriedade e sem ruído de bastidores que tem gerado desunião entre os profissionais.

A APG/GNR lamenta que a Tutela e o Governo tenham liminarmente ignorado os protestos persistentes dos profissionais da GNR e da PSP, que se multiplicaram por todo o país e que, de igual forma, têm marcado presença à porta do MAI. A APG/GNR desde já saúda a presença de todos os que nos têm acompanhado na luta pela nossa dignidade profissional.

Mas este não é nem será o fim da linha e da reunião agendada com o SEAAI para a próxima quarta-feira pouco ou nada se espera! A APG/GNR não só persistirá no protesto, em moldes ainda a definir, como irá diligenciar, como tem vindo a fazer, junto dos Grupos Parlamentares para que seja integralmente cumprida aquela que foi a intenção da Assembleia da República, ao aprovar com maioria negativa um suplemento que dignificasse as funções de segurança pública e fosse compensatório do risco inerente a essas funções.

A APG/GNR exorta à participação de todos os profissionais da GNR nas iniciativas de protesto que se avizinham, pois como reiteradamente afirmamos: “as uniões verdadeiras são focadas na luta” !

Lisboa, 28 de Julho de 2021

A Direcção Nacional