Nota à Imprensa

A Associação dos Profissionais da Guarda – APG/GNR reuniu hoje, pela última vez, com o SEAAI, para negociar os moldes e valores do suplemento de risco a atribuir aos profissionais da GNR e da PSP.

A APG/GNR questiona-se acerca da utilidade desta reunião e, no limite, das anteriores, já que a Tutela mantém o valor de 100 € para o suplemento de risco e a supressão da componente fixa do Suplemento por Serviço nas Forças de Segurança, que é de 31,04€, portanto os e 68,96€ inicialmente propostos, sem ceder um milímetro.

A APG/GNR mantém a sua proposta conjunta com a ASPP/PSP e que prevê um suplemento de risco de 400€, com implementação faseada em 3 anos, iniciando-se nos 200€, base de trabalho que a Tutela limitou-se a ignorar durante todo o processo.

A APG/GNR entende que o Governo recorreu a uma forma criativa de se “esquivar” à implementação do suplemento de risco, aprovado por uma maioria negativa no parlamento, avançando com valores irrisórios, insignificantes e indignos de quem arrisca a vida diariamente.

Independentemente de o representante da Tutela ter avançado com a possibilidade de negociação dos restantes suplementos já em Setembro, não adianta escamotear o que sucedeu e que foi a fixação de um suplemento de risco sem significado e que não o é verdadeiramente.

A APG/GNR não permitirá que este seja um último episódio e recorrerá aos Grupos Parlamentares para que, já em sede de discussão do OE2022, possam avançar um valor fixo, a vigorar já a partir do próximo ano, para que o Governo não fuja às suas responsabilidades.

Também não está esquecida a necessidade urgente de revisão do sistema remuneratório da GNR até porque sempre foi esse o ponto de partida reivindicativo da APG/GNR.

O mote é manter a “união na luta” e, já em Setembro, a APG/GNR, em conjunto com a ASPP/PSP avançará com uma Acção de Protesto Nacional, junto à residência oficial do Primeiro-Ministro e que certamente corresponderá ao tremendo desrespeito que sentimos.

Lisboa, de 4 de Agosto de 2021

A Direcção Nacional